Blogger Template by Blogcrowds.

Um lindo dia ensolarado


Fazendo um balanço de meu crescimento esta semana, pude perceber que não me saí muito bem. Não tão bem como esperava que fosse. Devido a minha crise de saudade, preciso confessar que esta me deu medo, precisei parar um pouco para me permitir sentir o que gritava dentro do meu peito. Negar estes sentimentos não é saudável, pelo menos é o que minha terapeuta diz. Desliguei todos os telefones, sumi do mapa. Me acolhi em meu casulo e dentro daquele silêncio chorei. As vezes é bom chorar, são lágrimas preciosas e escorrem por uma pessoa mais que especial. Passei alguns dias assim, saudosa. A noite olhava para o céu e lá estava a "estrela Valentina". Não é isso que as crianças fazem, escolhem uma estrela no céu em que acreditam ser o ente querido que lá está. E foi o que eu fiz quando ela se foi. Então, eu olhava para a minha estrela Valentina e a dizia como a amo e até cheguei a desejar que a encontrasse logo. Ela ainda faz falta em meus dias mas tenho conseguido preenchê-los.
Esta semana também serviu para que eu avaliasse que milagres não acontecem assim tão facilmente, e que infelizmente nem todas as pessoas conseguem parar e prestar atenção na vida. Ainda vejo algumas sofrerem pela unha que quebrou, pelo namorado que não ligou, pelo trânsito, pelo porteiro que não entregou a correspondência....E são coisas deste tipo que me cansam. Quanta coisa sem importância, pequena, fácil de se resolver. Vendo tudo isso sinto falta de pessoas de verdade no mundo.

E após esta difícil semana, acordei hoje ainda sem vontade de fazer nada ou ver ninguém mas me deparei com um lindo dia, céu azul e ensolarado. Fui para a varanda com minha xícara de café e um sentimento muito gostoso invadiu-me: não posso me isolar do mundo, preciso viver, preciso existir, pois agora existo por duas. Este sol brilha para mim e para ela, e por ela tenho obrigação de ter o máximo de momentos felizes pois era isso que ela fazia por mim. Sempre que sentir que minhas forças estão por acabar é na minha boneca que as buscarei. E sei que em algum lugar ela está segurando a minha mão para guiar-me e não me deixar cair.

4 comentários:

Olá querida, um prazer imenso te conhecer. Seja sempre bem-vinda ao meu blog, assim como estou me sentindo em casa aqui. Olha, você está certa, às vezes é preciso chorar. Não tenha vergonha disso. E por que não escolher uma estrela no céu? Nosso corpo acaba, mas a alma é imortal. Sua princesa, portanto, está viva. Dentro de seu coração e em algum lugar bonito, de onde pode te guiar. Mas tenho certeza que ela deseja te ver feliz. Pense nisso.
E sobre meu layout, nossa, não posso te ajudar muito, porque não fui eu quem fiz. Uma amiga minha quem criou o site para que eu pudesse expor meus trabalhos e pedi um blog, assim poderia escrever também. Mas há muitas pessoas que criam layouts na blogosfera, você quer que eu te indique alguma dessas artistas?
Um beijão e muito carinho pra você!
Fê.

12/07/2008 17:19  

Oi Karen, muito obrigada por sua visita no suspiro. E sinta toda minha compaixão por você, pela Valentina e pela história de vocês. Fique em paz, sua pequena te espera em um lugar lindo, e enquanto você está por aqui tenho certeza que ela quer que você seja muito feliz, pois é o que desejamos às pessoas que amamos.
Pode ficar à vontade para citar meus poemas por aqui e também para linkar o suspiro (será uma grande honra para mim). Também fique à vontade para conversar sempre que quiser, de verdade. Eu voltarei aqui sempre para visitá-la.
:)
Um beijo,
Sabrina

14/07/2008 10:39  

Oi Karen. Cheguei aqui pelo "Para Francisco"... emocionante sua história. Eu nunca tive perdas como a sua ou da Cris, mas me espelho e as admiro muito, pela força que existe dentro de vocês. Eu também acho que algumas pessoas exageram quando dão muito mais importância à unha cortada do que estar perto da criança com ou sem unha... sinto pena dessas pessoas.

Mas olha, força aí, porque com certeza a "Lele" está em algum lugar olhando pra vc, sorrindo, cuidando de vc...

Um abraço.

Tatiana T.
tatianat@bol.com.br

14/07/2008 11:20  

Olha, vim para te falar que pensei em você e na sua filha o final de semana inteiro.

Olhava para a Mel, minha filha, e pensava como eu era covarde ao ponto de nem me permitir pensar o que seria perdê-la.

Então, deparei-me com seu novo texto e fiquei com vontade de te falar duas coisas.

Primeiro, dê seu tempo de ficar estatelada no chão. Permita-se sofrer, sim. Isso é vida! E só vida vai te dar vontade de sobreviver a todas as dificuldades e dores "quase" insuportáveis.

Segundo, muitas pessoas não têm culpa - e têm muita sorte - de não saberem o que é realmente sofrer. Não as penitenciem. São crianças, muitas vezes. Você corre risco de ficar amarga pensando assim.

E isso, a Lelê não quer, tenha certeza.

Um carinho em você e nas suas lembranças.

Elga

14/07/2008 16:43  

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial